Kayuá


O GRITO DE DÉDALO

 

“Que tempos são estes, em que

é quase um delito

falar de coisas inocentes.

Pois implica silenciar tantos horrores!”

(Bertold Brecht)

 

    Dezessete de julho de 2007: abrimos nossas janelas e, pálidos de espanto, ouvimos não estrelas, mas os ecos da absurda explosão do vôo 3054 em Congonhas. Assusta, apavora, revolta, mas lamentavelmente não surpreende. Porque a tragédia aérea não pode ser chamada de acidente: a recorrência exclui a fatalidade, o fortuito. Sobretudo quando incompetência e negligência caminham de mãos dadas. Como uma crônica de um desastre anunciado, há muito os especialistas alertam sobre os riscos de um sistema que não prioriza a segurança dos passageiros. Aquele Outro decantado, como profetizou Hilda Hilst, permaneceu surdo a nossa humana ladradura. O resumo desta ópera dramática é que, antes mesmo de uma conclusão definitiva sobre o choque entre duas aeronaves no Centro-oeste há menos de um ano, mais de duzentas pessoas são vitimadas em um novo episódio. A matemática macabra aponta para quase quatrocentas mortes somadas as duas ocorrências. O Estado, como Medeia, assassina seus próprios filhos. E, à maneira de Lorde McBeth, fecha os olhos e ignora o fantasma de tantos Banquos a assombrar suas noites.

    Como um impotente Dédalo a ver a queda de Ícaro com suas asas desfeitas pelo calor do sol, resta a nós, os filhos que sobrevivemos, um indignado grito preso na garganta. O mesmo Dédalo que instruiu Ariadne a utilizar um fio condutor para retirar Teseu do labirinto de Minos. Talvez o que nos falte seja este fio condutor para que possamos sair do perigoso labirinto em que nós mesmos nos metemos.

 

 

marcelo d´ávila



Escrito por marcelo às 23h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
Outros sites
  Rosebud
  O Caixote
  Branco Leone
  Cadernos de Bélgica
  Rafael Duarte
  Blog do Conto
  Agrestino
  Clube das Almas Inquietas
  Maria Helena Bandeira
  Marta Rolim
  Palhaço Bocudo
  Rubens da Cunha
  Plátanos Coloridos
  Digressiva Maria
  Fábio Rocha
  Mudança de Ventos
  Udo Baingo - Água Marinha
  Daisy Melo - Olhos do Sol
  Rapidinhas da OE
  Phlavyus - Tente Outra Vez
  Neurotóxicos - Celina Portocarrero
  Malditas Mulheres
  Diário de Bordo - aventuras de uma gaúcha na terra de R. L. Stevenson
Votação
  Dê uma nota para meu blog